quinta-feira, 13 de junho de 2013

Texto linear para ser transformado em hipertexto pelos os alunos

PLANO DE AULA


Professora:  Inês Meneguzzi
Escola: Instituto Estadual Santo Tomás de Aquino
Município: Marau/RS
Disciplina: Artes
Tema: Arte Moderna no Brasil – usando hipertexto
Nível: 1º ano do Ensino Médio Politécnico
Duração: 5 aulas

Atividade:
            Após uma explanação sobre a História da Arte Brasileira e mais especificamente   o período da Arte Moderna.
 Foi entregue no pen drive um texto linear no qual os alunos deverão interferir e transformá-lo em um hipertexto, ou seja em um texto não linear e construído de modo colaborativo para no final ter um hiperdocumento sobre a Arte Moderna no Brasil.
            Nele os educandos, devem colocar os links com as fontes pesquisadas.

Objetivo:
            Utilizar os diferentes recursos da informática, para pesquisa e construção do conhecimento, de modo colaborativo, afim de fomentar o uso das mídias como fonte de informação na formação escolar explorando o prazer e a facilidade que os educandos têm com a utilização dos aparelhos eletrônicos e possibilitando a inserção dos mesmos nas novas formas de escrita e leitura através do hipertexto.

Definição:
            O hipertexto é um texto principal, construído com muitas ramificações que nos leva a outros textos e informações do conteúdo principal, facilitando e aumentando as informações sobre o assunto abordado. Neste caso um hipertexto direcionado e compartilhado na sua construção, para que fique mais rico em seu conteúdo. Por isso, cada grupo de alunos irá criar links no texto linear com determinada palavra ou frase e no final o texto liear se transformará em um hipertexto construído em conjunto.

Público Alvo: Alunos do 1º ano do Ensino Médio

Desenvolvimento:
            Os alunos terão uma aula sobre Arte Moderna no Brasil, contextualizando este período e apresentando alguns autores e obras. Será dividida a classe em 15 duplas, cada dupla, deverá explorar um tema, autor(bibliografia) obras, (principais) escolher uma das obras e comentar, deverá ter um link com a bibliografia – um com obras e um vídeo sobre o artista ou a obra escolhida. Cada dupla recebe o mesmo texto linear da professora e na palavra definida para a dupla, criará seu link com as atividades já determinadas. Depois cada dupla apresentará sua parte para a classe e todos os links serão juntados em o texto inicial se transformará em um hipertexto, que será redistribuído a todos. No texto principal, cada dupla devera anexar uma releitura de obra que escolheram, realizaram, fotografaram o trabalho e anexaram ao texto linear. Assim o hipertexto além dos links contará com uma seleção de releitura de obras feita pelas duplas.

Recursos:
            Sala de mídias – 2ª aula
            Sala de aula e materiais para desenho e pintura – 3ª aula – realização da releitura de obra
            Data Show, sala de projeção – 4ª aula, para apresentar o resultado a classe, e ao professor
            Sala de aula e mural da escola: 5ª aula, avaliação da atividade e exposição das releituras de obras.

Avaliação:
            Os alunos serão avaliados durante todas as aulas de acordo com a participação e produção de cada dupla.

TEXTO LINEAR FORNECIDO A CLASSE, COM OS 15 ASPECTOS DESTACADOS.

A Semana de Arte Moderna foi um evento promovido no Teatro Municipal de São Paulo (13,15 e 17 de fevereiro de 1922). Pode-se afirmar que foi um grande acontecimento que contribuiu para a transformação cultural do país. A literatura, a música erudita e as artes plásticas (explicar com mais propriedade a do período moderno) em conjunto, promoveram uma nova dinâmica às diferentes formas de se expressar. Não era só a literatura que introduzia uma nova multimídia. (pesquisar no sentido de sua influência nas artes)

A irreverente forma de se expressar chamava a atenção para os "futuristas" paulistanos que desafiavam os conceitos de arte herdados dos tempos do Brasil Império e que recebia o impulso de novas culturas: - a do imigrante que veio em massa para aqui trabalhar e viver. Já não era o português, o índio e o negro; havia agora uma forte influência européia, especialmente a italiana. A consolidação da burguesia cafeeira e a industrialização de São Paulo abriu espaço para manifestações políticas, novas relações sociais, crescimento econômico e consequentemente a criação de novas mentalidades.
Caracterizada por uma oposição entre o projeto formal inovador e a proposta de resgatar elementos da cultura tradicional, a primeira geração de modernistas desenvolve uma arte experimental, (no contexto da arte moderna) de acordo com o projeto fixado por Mário de Andrade  (bibliografia e sua principal contribuição para a arte moderna) na Semana de Arte Moderna de 22. A produção destes iniciadores da arte moderna no Brasil concilia uma linguagem importada das vanguardas modernistas européias, com um conteúdo nativista que resgata as raízes culturais brasileiras. 
Nos anos 20, estes modernistas conviveram de perto com a arte européia. Paris, como centro de produção artística, definiu os novos rumos da arte brasileira, influenciando toda essa geração de artistas. Antes mesmo de 22, Victor Brecheret e Vicente do Rego Monteiro vão para a capital francesa para se aprofundarem na pintura moderna. Logo depois da Semana de Arte Moderna é a vez de Tarsila do Amaral (vida –obra e curiosidades) ir a Paris. Outros artistas passam a seguir o mesmo rumo e unirem-se a eles, buscando concretizar o projeto modernista. É o que acontece com Di Cavalcanti  (vida –obras-curiosidade) e Anita Malfatti, (vida – obra – curiosidade) em 23, e com Antonio Gomide, em 24. Ismael Nery, (vida- obra – curiosidades)  estivera na Europa no começo dos anos 20, volta a capital francesa, em 27, buscando um estilo vanguardista. Junto com o pernambucano Cícero Dias, que revela seu talento precoce quando vai ao Rio de Janeiro, em 1927, estes artistas vão se consolidar como os grandes iniciadores da arte moderna brasileira.
Nesta época, os centros artísticos no Brasil, além de escassos, privilegiavam uma arte acadêmica com contornos tradicionais, o que incentivava os artistas modernos à buscar alternativas de aprendizado independentes. Por isso, as escolas parisienses representavam mais do que um intercambio cultural: eram necessárias para qualquer tentativa de atualização.
 Estes artistas traziam para outros brasileiros as novidades de Paris, transmitindo novas linguagens vanguardistas. A absorção desta arte presente nos centros europeus une-se à elementos da nacionalidade brasileira, (pesquisar quais elementos da nacionalidade brasileira eram destacados, texto e imagem) consolidando o projeto modernista. A partir de então, a arte moderna passa a trilhar novos rumos, distanciando-se, no entanto, daqueles estabelecidos na Semana de 22. (principais acontecimentos ocorridos nesta semana)
Outros nomes importantes neste período surgem um pouco antes e um pouco depois da Semana da Arte Moderna e que marcaram a Arte Brasileira, entre eles : Candido Portinari) (vida, obra, curiosidades), Iberê Camarco (vida – obra- curiosidades) – Tereza D’Amico (vida obra – curiosidades) Lasar  Segall (vida – obra e curiosidades), e Lígia Clark (vida – obra e curiosidades).

Referências:






Nenhum comentário:

Postar um comentário